13 dezembro, 2007

Jornal de Minde - um jornal católico pode ser «politico»?

No Jornal online «Urbi et orbi» da Universidade da Beira Interior, com sede na Covilhã, encontrei na sua edição 105 de 5 a 11 de Fevereiro de 2002, uma entrevista feita ao Sr. Cónego António Mendes Fernandes, director durante 25 anos do semanário diocesano "Notícias da Covilhã", donde transcrevo a seguinte pergunta e consequente resposta:

U@O- Enquanto director do "Notícias da Covilhã", qual a sua preocupação principal, a cidade ou a Igreja?

M F - Tinha precisamente essas duas preocupações, unindo-as no sentido de criar uma recta opinião pública. Isso é conseguido com uma leitura cristã dos acontecimentos. Anunciando a mensagem e denunciando o que se opunha à mensagem.Assim tinha a preocupação de ajudar a resolver os problemas da cidade, dentro da óptica do Humanismo Cristão. Em tudo o que se relacionava e relaciona com a defesa da cidade e a solução dos seus problemas, o jornal estava e está sempre na primeira linha. (o sublinhado é nosso)

Também na mesma página, num depoimento escrito sobre a sua colaboração no Jornal, o Sr. Cónego escreve:

« O jornal, durante a minha direcção, esteve sempre nas linhas da frente em tudo quanto dizia respeito ao desenvolvimento sócio-económico e cultural da região. Comprovo com muita satisfação que continua a trabalhar sobre os mesmos parâmetros. Durante a minha direcção uma das mais duras batalhas travadas foi a defesa da modernização da indústria dos lanifícios. O que não foi conseguido mercê da falta de gestores qualificados e de um apoio governamental escasso. Muitos me chamaram de profeta, ao ter anunciado a crise dos lanifícios, quando defendia a qualidade destes. Um parque de máquinas anacrónico e a abertura das fronteiras vieram confirmar o pior.»


Comentário:
É claro que um jornal regional, católico ou não, tem sempre de «estar na primeira linha» no que respeita a defender a sua terra. A forma como essa defesa é feita é que poderá ser variável, dependendo do respectivo director.

Aliás, espero que o director do Jornal de Minde, Sr. Padre Albino, tome uma posição pública na próxima edição do Jornal sobre as preocupações que várias pessoas manifestaram publicamente. Ele é o responsável, em última instância, pelo orientação do nosso Jornal.

16 comentários:

Anónimo disse...

Essa pergunta é descabida relativamente ao jornal de minde. Sempre foi político.
Quantos artigos relacionados com política e/ou problemas sociais, económicos é que publicou nos últimos anos?

E basta ver as últimas eleições, em que fez publicidade, de página inteira, à candidatura à Câmara do PSD (com grande foto da ana cláudia, do luís pires e do sampainho).

Ainda há alguma dúvida ou algo a discutir?

Anónimo disse...

Provévelmete o PSD pagou a publicidade, ajundando o jornal.
Talvez se os outros partidos que gastaram tantos euros em papelada se o tem feito também, seria certamente uma boa ajuda para o jornal.

Anónimo disse...

Sem problemas nenhuns. Desde que paguem e seja tudo transparente, por mim podem fazer lá publicidade ao que quiserem (desde que deixem espaço para o resto). Pode fazer publicidade qualquer partido.

Mas por acaso este caso não foi muito transparente, porque criou um grande burburinho e nem um esclarecimento houve. É que, ao que parece, aquela publicidade era ilegal e os ICA's ficaram muito sentidos com o Padre Albino.

Eu fico nesta: Desde que pago, com regras, transparência e igualdade, todos podem e devem fazer publicidade no Jornal de Minde. Por todos, entenda-se partidos políticos (porque outras colectividades as publicações e publicidades habituais não têm de cumprir com estes requisitos).

Padre Malagrida disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

está tudo preocupado se jornal de minde pode ou não dar noticias sobre politica, mas ninguem se preocupa se o jornal, possa ser obrigado a fechar portas. tragam clientes... o jornal precisa de clientes para jordarem o neto.....

Anónimo disse...

Mais um comentário apagado, ainda por cima humorístico?! Mas que merda é esta ó pm? Voltámos á censura?

Paula disse...

1º - "merda" não se escreve num comentário que é feio.
2º - A Censura é precisa quando a educação não existe.
3º - Este blog tem dono e por isso apaga mensagens, põe e tira quando bem entender.
Abraços

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Paula disse...

Agradeço que retire o "querida", não é meu hábito receber manifestações de afecto de quem não conheço. Obrigada.

pm disse...

Sobre esta polémica gerada pela notícia do Jornal de Minde, acho que será justo acrescentar que algumas críticas foram demasiado violentas para com a Comissão Fabriqueira, e que esta nunca pôs em causa o desempenho do corpo editorial do JM, tendo até reafirmado a sua confiança no mesmo.

Anónimo disse...

Ou seja, o corpo editorial do Jornal de Minde andou a levantar uma falsa questão.Andou a brincar connosco, quando escreveu aquele texto. Pois se a comissão fabriqueira até reafirmou a confiança nesse corpo editorial!

Alguma coisa fica por explicar. Aliás, convocar uma reunião para falar de censura no jornal já é uma CENSURA.

Anónimo disse...

Agora afinal não se passou nada?!
Então o artigo do Jornal de Minde é o quê, imaginação nossa?!
A comissão fabriqueira não colocou em causa o desempenho do corpo editorial?

Sim e qual é a novidade?
Era isso que estavam a tentar fazer ou a discutir?

Não se estava a discutir a tentativa reles e baixa da comissão fabriqueira de Minde, a mando não se sabe ainda quem, de condicionar o Jornal de Minde e a publicação de notícias menos simpáticas para o status quo da terra e do concelho, a saber, Câmara Municipal, Junta de Freguesia e algumas colectividades?

E reafirmou a confiança no corpo editorial onde e como? Ou é uma notícia e uma informação com privilégios e classificada de condidencial...?

ps: e sai mais um post, sem qualquer ofensa ou difamação, apagadinho...

Se foi para isto que veio o novo ajudante do blog, não era melhor arranjar-lhe um blog só para ele na rede Minde.eu, para não termos que estar a levar com estas merdices sempre que queremos ler o que o Pedro Micaelo escreve? Ou temos de estar sempre a escrever condicionados pelo lápis azul?

pm disse...

O PM e os colaboradores do Minde-Online escrevem, assinam e responsabilizam-se pelo que dizem.
Coisa que os comentaristas anónimos não têm coragem de fazer.

Também acrescento que o "lápis azul" é o meu, e que fui eu que apaguei o comentário porque entendo que aquele tipo de comentários não devem ir para arquivo. Ainda por cima num assunto relacionado com a Igreja.

O PM admite como colaboradores nos seus blogs quem muito bem entende, e se alguem estiver interessado faça o favor de se chegar à frente.

Mais alguma objecção ?

Anónimo disse...

Concorda-se com o anonimo acimba. Podiam entregar-lhe o Béu-Béu para gerir.

Anónimo disse...

Porra, agora deste em puritano, ou quê?

Já não se pode ter um bocadinho de criatividade a escrever? Onde é que o comentário é inofensivo para a igreja?

Se são estas pessoas como o micaelo, com suposta mente aberta e alegadamente modernos, que tem estes pruridos quando estamos a falar de assuntos relacionados com a igreja (e nem directamente, diga-se), como é que podemos esperar que as pessoas se sintam atraídas para lá ou que a doutrina oficial se modernize um bocado?!

Qualquer dia se escrever aqui um post a dizer que me deito sempre a pensar em mulheres, que pratico (quando posso e me deixam...) sexo com várias mulheres (infelizmente, não em simultâneo...), utilizando preservativos e algumas delas a pílula (pelo menos, é o que me dizem...) e que votei SIM no referendo ao aborto, levo logo com o lápis azul...

ai, ai.
Lá diz o ditado: o pior cego é aquele que não quer ver...

Anónimo disse...

FALARAM EM SEXO ? ONDE ,ONDE ????