28 janeiro, 2008

Lastimável

Não satisfeito com o uso e abuso de comentários e contra-comentários, e com alguns e-mails que me enviou pouco decorosos, o Sr. Engº. Vitor Manuel Coelho da Silva, num acto que considero muito lastimável e com grande falta de ética, enviou a uma extensa lista de personalidades, instituições, colectividades, meios de comunicação social, etc, etc., via e-mail, um texto que, abusivamente, é iniciado com uma referência ao meu nome, Pedro Micaelo.

A leitura do referido texto é susceptível de me associar ao seu teor e conteúdo, numa interpretação errónea de idéias que em nada se coadunam com os meus ideais e pensamentos.

Sinto-me envergonhado, vexado e humilhado publicamente por o Sr. Engº Coelho da Silva associar o meu nome a tal acto e atitude que considero de péssimo mau gosto e baixo carácter.

Aproveito o espaço deste blog, que tem sido o palco desta abusiva palhaçada, para clarificar que me demarco de qualquer iniciativa, ideais ou referências que o Coordenador do Portal Minderico possa fazer à m/ pessoa, enquanto o mesmo não se retractar, pela mesma via, do irreflectido acto que cometeu.

A paciência tem limites. E a dignidade também !!!

Pedro Micaelo

2 comentários:

pm disse...

Não vou publicar os comentários que já enviaram a este post, nem qualquer outro.

Anónimo disse...

Minde, os deputados da região, a Câmara de Alcanena, a Junta de Freguesia e o Largo das Eiras

A população de Minde continua a desconhecer o que se anda a projectar secretamente para o Largo das Eiras e para o espaço envolvente à Casa Açores. Digo secretamente porque, do pouco que se sabe, têm existido negociações entre 4 entidades para, alegadamente, ocupar aquele espaço com um edifício que albergue as sedes do CAORG e do SMM (Banda).

Além daquelas duas, as outras entidades são a Junta de Freguesia de Minde, através do seu incansável e omnipresente Presidente e, claro, a Câmara Municipal de Alcanena.

Mesmo depois de uma chuva de acusações, rumores e conversas de café por parte da sociedade civil, nenhuma destas entidades se dignou a informar o povo de Minde acerca do que é que se pretende fazer naquele terreno público e naquela zona central de Minde.

Alguns chamariam a isto má educação, incompetência, despotismo, sobranceria, etc.. Eu chamo, simplesmente, desconsideração pela população e abuso de poder.

Desconheço se já existiram pedidos formais a estas entidades para virem esclarecer o que se passa. Desconheço se nas assembleias de freguesia de Minde (que só sabemos quando existem se andarmos diariamente a ler as resmas de publicidade e editais colados na porta da junta…) alguém já levantou esta questão.

Sei, no entanto, bastando ler as actas (de 2006, porque as de 2007 nem vê-las…), que este assunto já foi levantado nas assembleias municipais de Alcanena. A resposta do Presidente pode ser vista nessas actas. Deplorável, é o único comentário que me vem à cabeça.

Também sei que a Câmara de Alcanena tem um historial de não responder aos requerimentos e pedidos que lhe chegam e que não lhe agradam. Claro que em gritante violação de várias leis. Veja-se o caso do prédio inacabado na praça do Estaminé, um dos maiores escândalos do nosso concelho dos últimos anos (até gostava que houvesse uma sindicância aos serviços de urbanismo da Câmara para ver o que saía de lá…).

Eu nem posso ter opinião formada sobre esta matéria porque ninguém sabe o que estes brilhantes andam a planear! O que me deixa inquieto é o secretismo. É de desconfiar… Porque é que estão a fazer isto? Andam a pagar favores? Têm medo que a população se oponha? Mas porquê?!

Não sei.

O que sei é que agora há outro instrumento para obter informações dos órgãos locais e que se está a revelar muito eficaz.

O novo regimento da Assembleia da República introduziu a figura da pergunta escrita ao Governo, à administração central, à administração local (câmaras, assembleias municipais e juntas de freguesia) e às autoridades das regiões autónomas ou à própria Assembleia da República. Desde 1 de Setembro de 2007 estas entidades têm de responder às questões que lhe são dirigidas dentro do prazo fixado no regimento: 30 dias.
O distrito de Santarém elege 10 deputados. De entre eles, há alguns com ligações ao concelho de Alcanena e a Minde. Desde logo, a deputada Fernanda Asseiceira (ex-candidata à Câmara e provável futura candidata pelo PS em 2009).

E que tal, quem nisso tiver interesse, expor esta situação a estes deputados e pedir-lhes para dirigirem uma pergunta escrita à Câmara, à Assembleia e à Junta de Freguesia?

Estou certo que desta vez iríamos ter algumas respostas…

Deputados por Santarém:

- António Ribeiro Gameiro PS
- Fernanda Maria Pereira Asseiceira PS
- Maria Luísa Raimundo Mesquita Indep.
- Mário da Silva Coutinho Albuquerque PSD
- Miguel Fernando Cassola de Miranda Relvas PSD
- Nelson Madeira Baltazar PS
- Nuno Mário da Fonseca Oliveira Antão PS
- Sónia Isabel Fernandes Sanfona Cruz Mendes PS
- Vasco Manuel Henriques Cunha PSD
- Vitalino José Ferreira Prova Canas PS

Pensar Minde