11 janeiro, 2008

Câmara de Alcanena denuncia descarga no Alviela

A Câmara Municipal de Alcanena detectou novas descargas poluentes na ribeira dos Amiais, concelho de Santarém, afectando directamente a nascente do rio Alviela, anunciou a autarquia em comunicado.
De acordo com a nota de imprensa, desde quarta-feira "estão a ser efectuadas descargas poluentes na Ribeira dos Amiais (concelho de Santarém) que atingem directamente o rio Alviela na zona da sua nascente (Olhos de Água do Alviela), situação que se tem verificado com alguma frequência".

O município de Alcanena afirma que não é "possível determinar com exactidão a origem poluente", apontando como "muito provável" a proveniência de "indústrias instaladas a montante desta nascente ou na própria ETAR da localidade de Amiais de Baixo, concelho de Santarém."

Contactado pela Agência Lusa, o vereador com o pelouro das Obras Municipais da Câmara Municipal de Santarém, Ricardo Gonçalves, garantiu que a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) não tem "nenhuma anomalia", alegando que a origem da descarga poderá ter origem "a jusante da ETAR, ou a montante, mas passando ao lado da ETAR".
Ricardo Gonçalves explicou que irá "demonstrar as preocupações" do município junto do Ministério do Ambiente, através da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), assumindo que pretende "acompanhar esta matéria de perto".

Segundo a Câmara de Alcanena, a ocorrência foi comunicada à GNR e ao Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, que, segundo fonte da autarquia, já estiveram no local, e ainda à CCDR-LVT. Fonte do município de Alcanena garantiu à Lusa que a origem da poluição poderá estar numa das várias linhas de água que confluem com a ribeira dos Amiais, a montante da ETAR, onde, referiu, estão instaladas suiniculturas e indústrias de cortumes.

A Câmara de Alcanena comunicou a situação à Empresa Portuguesa das Águas Livres (EPAL), que procede à captação de águas junto à nascente, numa zona anterior à confluência da ribeira de Amiais com o rio Alviela.

(extraído do Jornal «O Mirante»)

2 comentários:

pm disse...

Apesar dos pesados investimentos que se adivinham com necessários melhoramentos na ETAR de Alcanena, acusada, muitas vezes, de poluidora do Alviela, o problema é bem mais vasto, e muita poluição é provocada por descargas efectuadas fora do concelho.

Santarém, que tanto tem sacudido a àgua do capote, que faz bandeira ecológica com o Festival do Alviela, deve olhar para o seu umbigo e não apontar o dedo só aos outros.

Fez bem a CMA em alertar para esta ocorrência

clemente carvalho disse...

Fez bem em comunicar, mas mesmo assim continuo a axar que alcanena tem muito mais capacidades para resolver problemas e antes de apontar o dedos aos de fora deve de apantar primeiro o dedo aos de dentro.