16 dezembro, 2008

O Cardeal D. José II em Minde (em 1902)


A propósito da recente visita pastoral do Bispo da n/ Diocesse, transcrevo aqui um artigo do Jornal O PORTOMOZENSE que nos descreve a visita de Sua Eminência D. José II, Cadeal e Patriarca de Lisboa, há 106 anos atrás. Um autêntico tratado.
Publico também um anúncio que se encontrava na mesma página.



Minde, 25 de maio de 1902.
D. José II em Minde. O que aqui se passou.
Na minha qualidade de viajante observador, achava-me n'este logar no dia 8 do corrente, dia de grande regosijo e festivo para os habitantes de Minde, pois aguardavam a vinda de S. Emminéncia aqui, em visita pastoral. Todas as ruas desde a capella de S. Sebastião ate á egreja matriz, se, achavam ornamentadas com grande numero de bandeiras, arcos enfeitados com verdura e flores de todas as cores naturaes, e viam-se nas janellas ricas colgaduras. Esperava-se com anciedade a chegada de S. Emminencia o Cardeal D. José II, actual Patriarcha de Lisboa, que vinha a esta terra a primeira vez.

A recepção feita pelos habitantes de Minde ao seu hospede, foi o mais affectuosa possível, revestida de toda a pompa e com todas as demonstrações de respeitabilidade possível, como merecia o seu primeiro pastor diocesano.
Constou a este brioso povo que S. E. vinha possuído de falsas impressões que lhe foram fornecidas por espíritos fracos, a respeito do povo d'esta freguezia, que o desacataria e o appellidaria - como é uso e costume cá na classe menos illustrada, que se encarregam d'esse mister - porém, achou S. E. o contrario, desappareceram-Ihe todas essas impressões, ao pisar os primeiros torrões da entrada de Minde, onde era esperado por mais de 3:ooo pessoas, as quaes logo que se approximou o trem onde vinha S. E. echoaram repetidos vivas a S. E., á família real e á nossa fé' christã. Um delírio!
Em seguida foram proferidos cânticos alusivos á vinda de S. E. e á nossa religião que sobre modo o encantaram pelo bom desempenho das creancinhas do sexo feminino, antecipadamente preparadas pelo nosso digno e illustre prior padre Manuel F. Querido, que em nada se poupou para que a recepção e estada de S. E. aqui, fosse em tudo pomposa, como effectivamente foi, dando este brioso povo uma exuberante prova, ao seu digno parocho de quanto o respeitam pelo seu reconhecido mericimento e qualidades e bem assim que soube bem receber em seu lar S. E. o :que elle também soube agradecer no domingo, 11, depois de celebrar aqui a sua ultima missa, com curto discurso que a todos satisfez, não se dispensando os numerosos ouvintes de levar seus lencinhos.aos olhos.

Foi um discurso d'um bom pae, que se despedia de seus filhos, discurso todo salutar e livre de fanatismo e hypocrisia, como todos conhecemos.
Declarou S. E. que levava o povo de Minde retratado no seu espirito eternamente e que muito breve viria estar entre o seu povo querido.
Tal foi o captivante acolhimento que este povo lhe fez, durante três curtos dias que aqui esteve. Maisde 4:000 pessoas receberam o Sacramento da Confirmação.

Sahiu S. E. para a freguezia da Mira, sendo acompanhado por todas as pessoas que poderam seguir. Chegando ali, repetiu S. E. as mesmas palavras de verdadeiro reconhecimento ao povo da sua freguezia de Minde, protestando pela sua nova próxima visita. Assim o esperamos, na certeza que terá sempre festejada a sua vinda e estada aqui.

Não se realisou o prognostico dos falsos informadores, nem a obrigada alcunha, nem a falta de respeitabilidade por qualquer forma, desgostou o nosso hospede'a quem desejamos uma longa vida. E' a vontade do povo de Minde sem fingimento, pôde S. E. crel-o.
O povo de Minde sabe como poucos em occasiões opportunas cumprir os seus deveres.

Viajante (25-05-1902) - publicado n' O PORTOMOZENSE



NOTA: Esta e outras publicações só são possíveis graças ao trabalho de investigação que o Dr. João Manuel Querido realizou na consulta dos documentos originais, tendo facultado cópias desses mesmos documentos.

5 comentários:

Anónimo disse...

Excelente!!!!!!!!!

pm disse...

"onde era esperado por mais de 3:ooo pessoas"

Há 100 anos atrás estavam mais de 3 mil pessoas a esperar D. José II.

Será que hoje Minde conseguia reunir tanta gente, para o que quer que fosse?

vmcs disse...

Experimentem trazer o Cristiano Ronaldo a Minde e verão se não reunem mais de 3.000 pessoas ... ou melhor, mais de 3.000 mânfios adeptos da "bola" e mais de 3.000 gajas que gostariam de se deitar com ele! ( a começar pelas casadinhas e fiéis aos seus maridos)!

Os tempos mudaram!

Dantes o povoléu era "educado" para obedecer à Igreja, pois se assim não fosse todos acreditavam que iam parar direitinhos no Inferno.

Agora que toda a gente já percebeu que o Inferno é uma treta, ou melhor, que o Inferno é cá na Terra, o povoléu é "educado" para bajular e rabiar as "vedetas".

Tirando o fenómeno sobre o "apoio" de má consciência a Timor, Portugal só se mobiliza em peso em torno da "bola".

São Scolari, o papa da bola sabia como fazer.

Enfim, tudo muda, e já não sei o que é pior. SE andar atrás subserviente atraz das batinas ou andar atraz das chuteiras e da pila do Cristiano.

O Mundo está um lugar estranho e perigoso!

vmcs

Anónimo disse...

Só se fosse para receber o ICA...

Anónimo disse...

também o micael carreira trazia as mulheres todas e foi o que se viu