22 abril, 2008

Contas da Câmara de Alcanena aprovadas sem a bênção da oposição

Discurso optimista do presidente Luís Azevedo não convence PS e PSD.
Não foi pacífica a apresentação do relatório de contas da Câmara de Alcanena referente a 2007 apresentado ao executivo pelo presidente do município na segunda-feira. O documento foi aprovado por maioria com os votos contra de Fernanda Asseiceira (PS), António Menezes (PS) e de Ana Cláudia Coelho (PSD.

De acordo com o relatório, as actividades levadas a cabo pelo executivo no exercício do ano de 2007 resultaram num aumento da dívida na ordem dos 320 mil euros em relação ao ano anterior, o que não causa surpresa aos vereadores da oposição embora gere acesa discussão partidária. A vereadora do PSD critica a análise “optimista” que o presidente da câmara fez em relação ao documento e acusa o autarca de se basear em “futurologias”, nomeadamente aos investimentos que o município tem vindo a realizar sem um suporte financeiro garantido.

Ana Cláudia Coelho (PSD) ao analisar o documento pede ainda explicações ao presidente sobre a derrapagem de mais de 2 milhões de euros nas despesas do município, acusando os órgãos de gestão do município de Alcanena de “falta de controlo das despesas”. Luís Azevedo (ICA), perante os argumentos da vereadora, coloca a hipótese de existir alguma má interpretação dos valores presentes no relatório, deixando no entanto a vereadora sem resposta.

Outro dos pontos debatidos foi o aumento das despesas com os recursos humanos da autarquia. No ano de 2007 houve a entrada de mais 45 funcionários para os quadros de pessoal, tendo-se registado um aumento de 2,46 por cento relativamente ao ano anterior também neste sector. A respeito da política de recursos humanos, a vereadora Fernanda Asseiceira (PS) considera que o executivo recorre “excessivamente” aos programas do PEPAL (Programa Estágios Profissionais na Administração Local) e avalia as obras de maior dimensão da câmara como fruto de verbas comunitárias como é o caso do Museu do Curtume.

Os argumentos da vereadora socialista irritaram o presidente que não poupou críticas a Fernanda Asseiceira (PS). Luís Azevedo (ICA) diz que o município que dirige “caminha solitário” no que refere a apoios por parte do governo. A indignação do presidente deve-se ao facto do autarca ter solicitado, por diversas vezes, audiências com elementos do governo de diferentes ministérios e de “nunca ter obtido sequer uma resposta”.

“Ninguém nos quer ouvir. O Ministério do Ambiente é o único que tem estado a proceder diferente connosco na questão do Alviela. De resto nem uma resposta negativa obtivemos perante os sucessivos contactos”, argumentou o autarca, acusando a vereadora socialista de não ter intercedido quando solicitou a sua ajuda.
In "O Mirante"

Blog PSD ALCANENA

No Blog PSD Alcanena, a Drª. Ana Claudia expôe uma pormenorizada análise sobre o referido Relatório de Contas, com duras críticas ao trabalho desenvolvido pelo actual executivo, afirmando:
"Efectivamente, a Câmara Municipal de Alcanena está a passar pelo seu pior período de gestão política de sempre. Esta degradação é também evidenciada por quase todos os seus principais indicadores económico-financeiros."

(....) quando se passa de 224 colaboradores em 31 de Dezembro de 2006 para 269 colaboradores em 31 de Dezembro de 2007.
Assim sendo, também não se compreende o volume gasto em horas extraordinárias, 132.192,11, perfeitamente injustificado face:
i. Ao aumento de 45 colaboradores;
ii. À quase ausência de investimento em 2007;
iii. À diminuição significativa das actividades culturais;
iv. À existência de 4 vereadores a tempo inteiro, um chefe de gabinete e uma secretária;
v. Ao aumento da rubrica, Colaboração Técnica Especializada, com 7.888,54€;
vi. À manutenção de valores exorbitantes em horas extraordinárias por parte de alguns colaboradores, 13.594,88€ / ano."


COMENTÁRIO
:

Aconselho a leitura desta análise elaborada pelo PSD, cujos números dão para entender que o caminho que a CMA está a trilhar não é nada optimista.
As despesas com Custos de Pessoal e horas extraordinárias disparam de ano para ano e as receitas e o investimento têm decaído drásticamente.
A política cultural dos equipamentos sediados em Alcanena começam a ter custos incomportáveis. O Carsoscópio leva 300 mil por ano, e o funcionamento Cine-Teatro S. Pedro será suportado em mais de 50% pela CMA. Sem contar com os futuros museus que aí vêm.
A dívida da Câmara a terceiros é dramática para o Concelho, segundo as palavras da Drª. Ana Claudia, e, imagine-se: os custos com a ZI de Alcanena, que ainda não se iniciou e cujos projectos caducaram, já tem custos muito superiores à ZI de Minde, cujas obras paralizaram por falta de investidores interessados.
Que mais nos irá acontecer ??

22 comentários:

Mindericus Vulgaris disse...

Aconselho toda a gente da Freguesia de Minde a falar pouco na falta de verbas, não vá dar-se o caso de faltar dinheiro para finalizar a recuperação da Casa Açores.

Depois de tantos anos à espera de um local para recolher o espólio de Mestre Roque Gameiro seria uma mais uma tragédia para Minde.

Que se acabe e depois falemos na falta de verbas e em tudo o resto.

Ah, a propósito, onde anda o ICA energúmeno que gosta de vir aqui chamar-me do dito?

Agora não chama o mesmo aos 3 vereadores que votaram contra e ao Pedro Micaelo?

Sou só eu?

Beijinhos

vmcs

Anónimo disse...

Não compreendo o sr engenheiro. Então não podemos falar enquanto não estiverem concluíadas as obras da casa Açores?
Afinal V. Exª comunga da política que tanto tem criticado nos dirigentes das colectividades de Minde.
Vamos estar caladinhos, porque senão não mamamos nada.
É assim, sr Eng.?

Individuo que chamou energumeno ao sr VMCS embora esteja já um pouco arrependido disse...

Pode crer senhor vitor que eu não sou ICA.
Nunca me enganaram nem por um segundo, pois eu, com a graça do SENHOR, não votei neles em nenhum dos mandatos.
O que eu apenas quis mandar cá para fora, foi o facto de o senhor vitor ser tão activo aí no seu teclado, mas depois não o vejo a fazer nada de activo por MINDE.
Garanto-lhe que se voçê candidatar á câmara não só votarei em si, como tambem promoverei o seu voto.
Peço desculpa por o ter chamado energumeno

Anónimo disse...

É realmente triste e decepcionante a política do silêncio, para ver se vem algum dinheiro para Minde. Minde não é um "parente pobre" que se tem de sujeitar ás esmolas que de vez em quando aparecem.

Minde tem problemas mais profundos do que a recuperação da Casa Açores e o Museu do Mestre. Não desfazendo a importância do Mestre e da sua obra, mas o museu é uma coisa secundária se tivermos em arenção que Minde não oferece nada em termos de emprego a quem nela habita. Tornou-se um dormitório, pois grande parte da população tem de ir procurar emprego fora da terra e do concelho. Isto sim é preocupante.

Mesmo que haja verba para a conclusão das obras, depois delas feitas como se vai manter o museu a funcionar?Quem vai pagar? Quantos empregos vai gerar? Isto sim são questões pertinentes!

Minde precisa de se preocupar mais com o desemprego, com a falta de investimentos e com um envelhecimento da população, pois os jovens que querm começar uma vida activa e uma carreira profissional, não é em Minde que encontram condições para tal.

Acho também caricato que numa época em que o Governo Central apela á contenção e a uma restruturação no funcionalismo publico, com milhares de pessoas a verem os seus empregos em risco, a CMA, ruma contra a maré, e num só ano aumentou o numero de colaboradores em 45 pessoas. Será que ainda são os tachos prometidos nas últimas eleições, ou são já a pensar nas próximas???

Mindericus Vulgaris disse...

Caro anónimo

Não entendeu que eu estava numa de humor ;-)

Caro arrependido

Acha que eu teria jeito para Presidente da Câmara? Eu não acho ;-)

Por outro lado, dê.me uma razão para eu lhe estar a responder, dado que VEXA não passa de um cobardolas escondido atrás de um nickname.

E ainda, tem a certexa que eu nunca fiz nada por MInde? E se nunca tivesse feito, o senhor propunha a minha excomunhão da Comunidade Minderica?

Olhe, vá-se taxear a si próprio.

Cumprimentos

vmcs

Mindericus Vulgaris disse...

Caro 2º anónimo

Pois é, mas quando eu falo em Polo Industrial + Parque de Camiões TIR a norte do Concelho chamam-me nomes.

E pouco ou quase nenhum apoio tenho. Os blogues só falam nas festas e festinhas que se fazem em Minde, oh!

haha

pm disse...

"É realmente triste e decepcionante a política do silêncio, para ver se vem algum dinheiro para Minde. Minde não é um "parente pobre" que se tem de sujeitar ás esmolas que de vez em quando aparecem."

Não só concordo com esta frase, como com todo o comentário do anónimo que a escreveu.

Se não se mudarem depressa as agulhas e as prioridades, Minde daqui a meia dúzia de anos terá metade da população que tem agora, que já é metade do que tinha há meia-dúzia de anos atrás.

A recessão económica tem influências, mas os principais culpados de estarmos quase a bater no fundo, são os aqueles que estão no poleiro a governar-se à grande e à francesa sem se importarem mínimamente com o concelho.

Cada ano o orçamento do concelho é menor, mas o nº de tachos e empregos vai aumentando.
Temos visto algum resultado desse aumento de colaboradores? Bem pelo, contrário. O que eu vejo é deixarem relaxar prazos, tudo atrasado, falta de informação e promoção dos investimentos, etc.etc.
Um Descalabro TOTAL.
Mas os BMWs novos continuam a rolar e as despesas a aparecer.

Tinha vontade de ficar aqui a escrever o resto da manhã, mas fico-me por aqui.

pm disse...

Caro VMCS,
Essa dos blogs só falarem em "festas e festinhas que se fazem em Minde", é para mim?

Falo do que sei, vejo, posso e quero, e a mais não sou obrigado. Algumas dessas festinhas até sou colaborador.

Mas tb não tenho visto grandes temas no Portal Minderico. E a última vez que se escreveu alguma coisa sobre o tal Polo Industrial (que tb defendo), sobre a ZIM, sobre as obras do concelho e projecto do Museu Territorial, parece-me que foi aqui. Estarei errado?

Quanto às festinhas... cada um chama-lhe o que quiser, mas olha que a última, protagonizada pela apresentação da Orquestra Ligeira da SMM, não foi propriamente uma festinha. Para mim, foi algo com nota muito alta.

Cumprimentos,
PM

Mindericus Vulgaris disse...

Pedro

Essa não era para ti, obviamente. E quando falo em festas e festinhas quero dizer o seguinte:

Os Mindericos actualmente baixaram os braços relativamente á estratégia que deve ser seguida para a mudança da situação que tu referiste acima. Não é verdade?

Então, contentam-se em apoiar, E BEM, as festas e festinhas de Minde. Para muitos chega para consolo do que se está a passar. É a chamada ilusão de que muito se faz (E FAZ) a nível de instituições, esquecendo-se da sua própria incapacidade de ajudar a pressionar para se dar a volta a isto.

Capito?

É a chamada estratégia do poder para iludir as pessoas. Façam-se muitas festas e festinhas para eles andarem entretidos.

Não desfazendo, claro, na importância que as festas e festinhas têm para a vida social da Freguesia.

Eu gostava de ver os dirigentes das Instituições de Minde a pressionarem na resolução do problema económico de Minde. Mas não, e aí critico - cada direcção só se preocupa, em termos gerais, com a sua Instituição.

E na verdade, se todos estes dirigentes que têm muito valor se unissem num determinado sentido para pressionarem em conjunto a Câmara, talvez as coisas levassem outro caminho.

Minde já mostrou e está a mostar que tem ainda MUITA gente válida, amiga da terra, trabalhadora e solidária.

Mas falhamos nisto - na conjugação de esforços para alterar a situação económica da Freguesia.

Estarei a ver mal? Se estou. peço desculpa a TODOS.

Um abraço

Vítor

PS: será muito dificil encontrarem algum texto meu em que não aprove SEMPRE o que se faz em Minde - ainda que muitas vezes possa discordar no modus faciendi - mas se vires bem APOIO sempre TUDO. Mas há quem goste de "tresler" o que escrevo.

Mindericus Vulgaris disse...

Pedro

Quanto aos grandes temas no Portal Minderico - tens razão - cada vez menos - esgotei as palavras - acontece a quem não é jornalista de profissão.

No entanto os grandes temas estão lá - é só relê-los.

Por outro lado, nem sempre há vagar para malhar em ferro frio.

E agora tenho pouco vagar, devido a trabalhos óbvios que tu entendes, e que levam muito do meu esforço.

Prepara-te para mais 2 sites do caraças para a semana ;-)

vmcs

Mindericus Vulgaris disse...

Pedro

Só mais esta adenda.

A falta de grandes temas no Portal Minderico também tem a ver com "um certo boicote" feito ao Portal.

Há lá tanto espaço para escrever!

Como há nos teus blogues.

Só que a malta não escreve - os que escrevem é sob anonimato e mandando bocas e boquinhas.

haha

vmcs

PS: Faz a conta ao numero de Mindericos que actualmente fazem parte da Junta, da Assembleia de Freguesia, da Assembleia Municipal e da Câmara - tens visto muitas intervenções escritas deles? E tens visto muitas propostas deles?

TENS?

E ACHAS então que só tu e eu é que temos de escrever?

Anónimo disse...

Tenho de apoiar integralmente este comentário do Vmcs, especialmente no ponto em que diz:

"cada direcção só se preocupa, em termos gerais, com a sua Instituição."

Esta verdade é incontornável. Não é uma tragédia por si, nem faz dos dirigentes más pessoas. Até porque eles o reconhecem e também admitem esta fraqueza no "sistema". Mas, em muitas coisas enfraquece Minde como um todo e fortalece quem está no poder, gerindo esse poder com a atribuição de migalhas e supostos "favores", "ajudas" e "empurrões" às iniciativas das colectividades e associações.

Os casos mais gritantes hoje em dia de literal submissão perante a Câmara, numa vulgar "prostituição" de interesses e favores (atenção, se for apenas isto não é ilegal e muito menos crime - poderá é não ser ético ou correcto) temo-los no Vitória, no Caorg e, a alguns níveis, nos Bombeiros.

Curiosamente, 3 colectividades que pertencem à espinha dorsal das colectividades de Minde.

JMQ disse...

É um facto que esta autarquia está em «ponto-morto» há muito tempo. As obras que se fazem são de fachada, em equipamentos sociais cuja manutenção é dificil de suportar.

O problema não é construir mas sim manter, como em Minde todos já sabemos com a triste experiência no passado do Museu Roque Gameiro. Podemos fazer um empréstimo para comprar um BMW mas se depois não temos meios para pagar o gasóleo, as revisões, etc, ele fica parado, na garagem.

Também me parece descabido o apelo para ficarmos calados senão a recuperação da Casa Açores fica inconcluida. Por amor de Deus, vindo de quem vem. É perigoso ir por aí, pois então o melhor é nunca nos manifestarmos com medo das consequências. Que democracia é esta?

Agora, falando sério, o problema desta autarquia é ser presidida por quem é, num periodo de governo socialista. Bem pode o senhor presidente protestar à vereadora do PS por não ser recebido por ninguém do governo. Ele sabe muito bem porquê.

Num horizonte de 10 anos, esta autarquia construíu um sem numero de equipamento sociais, alguns deles em Minde, mas não promoveu a dinamização industrial ou comercial do concelho. E agora estamos todos a pagar esta falta de visão.

Um concelho com tradições industriais que não tem uma unica Zona Industrial NOVA, seja ela onde fôr, é paradigmático de tudo o que se está a passar.

Mindericus Vulgaris disse...

Lá vem o JMQ "tresler" o que eu escrevi - ó homem, aprenda a ler. Vá lá acima reler tudo o que eu escrevi.

E bato-lhe palmas por finalmente perceber qual o verdadeiro problema da Freguesia de Minde. E por favor, não chame obras de fachada ao Pavilhão do Vitória, à Recuperação da Casa Açores etc etc...

vmcs

PS: quando é que este homem, especialista em informática, resolve criar o seu próprio site?

ACSQM disse...

Caro Anónimo que se refere á "prostituição" a que as colectividades se têm de sujeitar, gostava só de dizer que este tipo de prostituição politica/financeira, funciona tal e qual como a outra. Isto é, uns fazem-no por pura questão de sobrevivência, outros fazem-no porque já não conseguem passar sem o dinheiro e o poder que essa prostituição traz. Já diz o ditado que uns são filhos da mãe e outros são filhos da p***.

Caro VMCS
"E por favor, não chame obras de fachada ao Pavilhão do Vitória, à Recuperação da Casa Açores etc etc..."
É certo não são obras de fachada, estão lá, e de Minde ninguém os leva. Agora pergunto lhe, e essas fantasticas obras emprendidas trouxeram quantos postos de trabalho???O que é que trouxeram de novo para a população que vive no desespero de não ter emprego ou de não poder ter perspectivas de futuro???? Por mais que goste de fazer desporto e de cultura, gosto muito mais de me levantar da cama de manhã a saber que vou ter comida para por na mesa!!!


Caro JMQ
"Agora, falando sério, o problema desta autarquia é ser presidida por quem é, num periodo de governo socialista. Bem pode o senhor presidente protestar à vereadora do PS por não ser recebido por ninguém do governo. Ele sabe muito bem porquê.

Num horizonte de 10 anos, esta autarquia construíu um sem numero de equipamento sociais, alguns deles em Minde, mas não promoveu a dinamização industrial ou comercial do concelho. E agora estamos todos a pagar esta falta de visão."

Claro que o PS nunca vai querer saber do nosso ICAzinho....só é pena que só algumas pessoas se tenham apercebido disso.

Em relação aos equipamentos sociais, Minde realmente tem alguma coisa, mas que ou não funcionam de todo ou então funcionam tão mal, que mais valia não existir. A já telenovelesca questão da ZIM.....vai ser mais um elefante branco que vai sorver milhares de euros públicos e que poderiam ser mais bem utilizados e rentabilizados.

Cumprimentos
ACSQM

JMQ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JMQ disse...

Aconselho toda a gente da Freguesia de Minde a falar pouco na falta de verbas, não vá dar-se o caso de faltar dinheiro para finalizar a recuperação da Casa Açores»

É ou não um apelo a que nos calemos, senão a obra fica a meio? O que eu «transli», sr. VMCS?

Quanto às obras que eu chamo de fachada são-no no sentido de que foram feitas ou concluidas para encher o olho ao povão. Os equipamentos sociais são importantes para atrair população mas mais importante são as acessibilidades e outros incentivos.

Eu até poderia concordar com a actual ZIM se fosse feita uma ligação directa à estrada nacional entre Minde e Casais Robustos de modo a evitar o atravessamento de Minde para chegar à ZIM. Ou se a Câmara se empenhasse em melhorar o acesso a Fátima.

Que publicidade em meios de comunicação escrita é feita para vender os lotes da ZIM? P.e. no Mirante? Ou a Câmara não tem interesse em vender os lotes directamente?

Se eu tivesse um património para vender não iria publicitá-lo em tudo quanto fosse sítio? E será que em termos fiscais há incentivos? Quem comprar um lote ficará isento de IMI? ou a derrama será menor?

P.S. Eu não sou informático. Sou licenciado em gestão de empresas. E trabalho em auditoria informática FISCAL. O QUE É MUITO DIFERENTE!

JMQ disse...

Ah, pode esperar sentado pela criação dum site próprio. Eu não tenho os meios que o sr Vitor tem. E estou muito bem aqui no blog do Micaelo. è o meu parceiro ideal pois comungamos dos mesmos principios. Não é Pedro?

Mindericus Vulgaris disse...

Continuou a "tresler" ... não leu tudo !!!!!!

Caro amigo

Eu desde os meus 14 anos - altura em que o meu Pai foi designado Presidente da Junta que defendo que o Museu do Mestre deveria ser feito no RECINTO da Casa Açores.

Eu disse no RECINTO - não venha "tresler" novamente.

E ganhe juizo nesses neurónios!

JMQ disse...

Eu falo em alhos o senhor em bugalhos. Desisto.

Mindericus Vulgaris disse...

Bom dia

Com o cavalheiro só a desconversar.

Faz bem em desisitir porque já não me apetece brincar mais.

Anónimo disse...

"Bem pode o senhor presidente protestar à vereadora do PS por não ser recebido por ninguém do governo. Ele sabe muito bem porquê."


Ainda no passado dia 19 de Abril esteve em Alcanena o Ministro Vieira da Silva que, quando questionado por uma pessoa presente no encontro, se alguma vez o Sr. Presidente da Câmara o tinha contactado ou solicitado uma reunião, afirmou que nunca foi contactado poe ele. Não esquecer que o Ministro faz parte da Assembleia Municipal e quando vem às reuniões (nem sempre pode vir por razões compreensíveis) poderia ser aproveitada a sua presença como uma mais valia para eventuais contactos com o Governo, já que ele não o quer fazer à Vereadora/Deputada para não lhe dar muita importância e protagonismo. É, portanto, mais fácil vitimizar-se. Mais fácil e proveitoso porque foi com esta do coitadinho que ele venceu as primeiras eleições quando concorreu pelos ICAS. Coitadinho, as pessoas são tão más para si não é sr. presidente? Não sabem é que você é vingativo e pune descaradamente quem não o apoiou, não é? Mas já está a pagar por isso. Deus tarda mas não falha.