13 fevereiro, 2009

Governo mantém localização de novo quartel da GNR


O novo quartel da GNR de Alcanena vai ser edificado em terrenos localizados à saída da localidade, em Pousados, Bugalhos, cedidos pela autarquia em 1998 para essa finalidade. O presidente da Câmara Municipal de Alcanena, Luís Azevedo (ICA), lamenta que a resposta recebida recentemente do Ministério da Administração Interna a propósito das futuras instalações do Quartel da GNR de Alcanena não fosse de encontro às suas intenções. O autarca preferia que as actuais instalações, no centro da vila, fossem adquiridas pelo município e requalificadas. Pelo que, assim que soube da intenção do Governo em avançar com as obras no início de 2009, expôs as suas dúvidas numa carta enviada em Setembro ao ministro da Administração Interna.

A missiva só agora teve resposta e mantém a localização no sítio que inicialmente estava previsto. “Visitaram as instalações e chegaram à conclusão que não são adequadas para instalar o quartel da GNR”, explicou o autarca na última reunião de câmara, acrescentando de imediato que só tinha a lamentar a decisão, reiterando a intenção de ceder um terreno para que o quartel seja construído na malha urbana.

“Não há nada a lamentar, apenas a congratular”, considerou, por seu turno, a deputada e vereadora socialista Fernanda Asseiceira, afirmando que o impasse causado por Luís Azevedo levou ao atraso do arranque da obra. Opinião, por sua vez, contestada pela vereadora do PSD, Ana Paula Coelho, a quem custa acreditar que o Governo socialista tenha atrasado uma obra por causa da opinião de um autarca. A vereadora social-democrata refere que “não tem nada que se congratular ou lamentar” com esta resposta do Ministério da Administração Interna. “Ainda bem que se resolveu este impasse mas só se as obras arrancassem amanhã, aí sim, ficaria contente”, apontou.

Recorde-se que o Governo previa lançar o concurso para a construção do novo posto da GNR de Alcanena no primeiro semestre de 2009. O financiamento da obra, na ordem dos 350 mil euros, foi garantido no âmbito do Plano de Investimentos e Despesas para o Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC). O quartel chegou a ter 25 efectivos, tendo actualmente 17 efectivos para cerca de 4300 habitantes.
Publicado no "O MIRANTE"



COMENTÁRIO:
Como dizem os brasileiros: - Tava na cara que tinha de ser assim. O edifício que o Sr. Engº. Luís Azevedo propunha adquirir para instalar o novo quartel iria exigir obras que nunca mais acabavam. Sonhos e demagogias de quem tem andado noutro mundo.


2 comentários:

pm disse...

Isto até parece um comboio de anedotas.
Se queria tanto o quartel no centro de Alcanena porque não disponibilizou o terreno do Museu do Curtume (que era muito mais indicado para isso do para encalhar ali aquele monstrinho) e contruia o Museu noutro local mais desafogado.
São visões ...

Anónimo disse...

Visões de mer**
Ora aí está o que eu chamo de uma boa observação. era muito melhor o Quartel da GNR no sitio onde será o museu do cortume.