28 Junho, 2007

Programas Especiais de Formação



Integrado no programa MINDE 2007, o Conservatório de Música Jaime Chavinha vai levar a efeito dois programas especiais de formação musical.

Do dia 3 a 7 de Julho
, o CAORG realiza a "Semana das Classes de Conjunto e Ateliers de Instrumentos" destinado a todos os alunos do Concelho de Alcanena do 1º ciclo do ensino básico (3º e 4º anos), com inscrições e transporte gratuitos a quem se inscrever.

Do dia 10 a 13 de Julho
organizará uma Master Class orientada pelo conhecido clarinetista Paulo Gaspar e destinado a jovens com conhecimentos musicais.
Aproveite e Increva os seu filhos !!

Na Soc. Musical Mindense também será desenvolvido um programa de open ensaios para iniciados.
Ver toda a programação e inscrições em : http://minde.eu/JAZZminde/2007/workshops2007.html

Foto-Concurso JAZZminde

O objectivo é fazer click sobre tudo o que mexa e não mexa. Um prémio especial para quem conseguir captar o som. Mais ou menos isso.

Trata-se do Concurso de Fotografia Digital Amadora sobre o tema "A Festa da Música, Minde e o Jazz".
Qualquer fotógrafo "de meia-tijela" pode concorrer com quantos trabalhos entender, e nem é preciso qualquer inscrição. Basta ir fazendo click, e já está.
Queremos fazer uma exposição e editar um CD, mas para isso é precisso material e a colaboração de todos.
Todo o regulamento e informações sobre o concurso em : http://minde.eu/JAZZminde/2007/fotoconcurso2007.html

MINDE 2007 - Ar De Rock

Tal como eu já suspeitava, foi à vida o programa das tunas académicas. É época de exames e as tunas estão muito desfalcadas. Apesar das boas vontades, tem de ficar para outra altura. Primeiro estão es estudos.

Mas a malta nova não fica a perder. Em sua substituição, no Sábado (30), pelas 18h teremos uma tarde AR DE ROCK.
É a apresentação do Rock in Minde, e vai subir ao palco da Praça 14 de Agosto, a banda SILKSHADOW vinda de Aveiro e num estilo muito hard rock. Vai ser a abrir, e... de borla.
music info : http://www.silkshadow.net/

27 Junho, 2007

Adiada inauguração do Centro de Ciência Viva



Depois de já ter sido confirmada a presença do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, para a inauguração, no próximo dia 8 de Julho, do Carsoscópio do Centro de Ciência Viva dos Olhos de Água no Alviela, eis que surge um novo contratempo e a inauguração será mais uma vez adiada.

"A inauguração do Centro de Ciência Viva dos Olhos d’Água, Alcanena, foi adiada por razões de agenda de algumas das entidades oficiais convidadas. Não há ainda nova data para a sessão. A informação foi dada a O MIRANTE por fonte do município.
A cerimónia estava marcada para dia 8 de Julho e devia ser presidida por Aníbal Cavaco Silva, Presidente da República, que nesse dia se desloca a Tomar para assistir à Festa dos Tabuleiros."

Grande Festa da Música - MINDE 2007



Está concluída e definida toda a programação da Festa da Música.
Não foi fácil. Principalmente pelo facto de as tunas académicas estarem indisponíveis por causa da época de exames. Alterámos a sua exibição para o Sábado à tarde, e mesmo assim vamos ver. Na 4ª Feira, data inicialmente prevista para as tunas, em sua substituição teremos um animado Quarteto de Saxofones na Praça 14 de Agosto. De resto, tudo OK.

O Ano passado ganhámos a fama de ricos por apurar muito dinheiro para os BVM, e este ano estamos "apertadíssimos e a rebentar pelas costuras".
Apelamos às firmas e particulares que colaborem. E não pedimos nada. Apenas queremos que nos comprem pacotes de bilhetes. Não custa assim tanto, e os concertos merecem muito mais do que o quase valor simbólico dos bilhetes.
Se houver falência, by, by JAZZminde.

E já agora:
Continua fora de moda ? A MODA É JAZZMINDE.

25 Junho, 2007

Grupo Lena aposta na biomassa

O Grupo Lena está a preparar a entrada no sector florestal, no quadro da estratégia para as centrais de biomassa. Numa primeira fase, o objectivo é comprar cerca de cinco mil hectares, de acordo com informação avançada pelo presidente da Lena Ambiente, Armando Paulino da Silva, ao DN.
O grupo está a concorrer a cinco centrais de biomassa com uma potência instalada total de cerca de 40 MW (megawatts): Braga/Viana, Covilhã, Proença-a-Nova, Alcanena e Odemira. O investimento associado a estes projectos, em caso de vitória, ascende aos cem milhões de euros, o que permitirá alavancar o crescimento do grupo na área do ambiente.

Para além da aposta em activos florestais, para estar presente em toda a fileira, a Lena Ambiente tem protocolos com produtores florestais e promoveu a criação de ZIF (zonas de intervenção florestal) de forma a assegurar a matéria-prima necessária para alimentar as futuras centrais de biomassa. A insuficiência de matéria-prima nacional para as centrais de biomassa tem sido uma das preocupações manifestadas pelos industriais do sector. O concurso lançado pelo Governo para 15 centrais de biomassa em Setembro de 2006 já regista um atraso de alguns meses.

Neste processo, o grupo aposta ainda numa solução técnica que permita valorizar a energia térmica libertada no processo de produção da biomassa, e que representa dois terços, que não pode ser explorada para produzir energia eléctrica. A solução, proposta em Alcanena, onde o grupo explora um aterro, prevê que esta energia térmica seja canalizada para fins agro-industriais, como o aquecimento de estufas. Ainda em Alcanena, através da associação à indústria de curtumes, há a possibilidade de utilizar tiras de couro como matéria-prima da biomassa, reduzindo o impacto ambiental deste sector.

A Lena Ambiente facturou cerca de 25 milhões de euros no ano passado dentro de um grupo que registou um volume de negócios global da ordem dos 900 milhões de euros, com uma actividade que vai desde a construção até à energia e turismo, com forte crescimento no mercado internacional. Já este ano, o grupo, com sede em Leiria, comprou a construtora Abrantina.

A Sardinhada

A sardinhada de S. João organizada pela Soc. Musical Mindense, na 6ª Feira, foi bem animada. A Praça 14 de Agosto estava bem composta, com cheiro intenso a sardinha assada a pairar no ar, e cheia de "charales do ninhou a trilhar cópias cabiçalvas com cinqueto caseiro e maltesão do cartaxo".
Só cheguei ao arrumar dos cestos, já noite, pelo que não tenho nenhuma foto. Se alguém quiser enviar, Faça Favor.

It's Open



Já começou. E não começou mal.
Foi no Sábabo, no Espaço Fatimae que se procedeu à abertura do IV Festival de Jazz de Minde. O ambiente esteve simpático, a rapaziada de Minde compareceu, e foi uma boa demonstração de como se pode levar dignamente o nome de Minde a outras paragens.
Audible Arquitecture foi a banda que iluminou a noite e encheu de som o auditório (até de mais).
São cinco excelentes músicos, com um jazz vanguardista e um pouco "complicado", cujo volume sonoro exigia um espaço maior. Foi um pouco violento para muito ouvidos, e talvez nem fosse a banda apropriada para a abertura. Caíria melhor um jazz mais clássico. Fica para a próxima.

Mas a procissão ainda vai no adro, e vem aí muito jazz e blues de todas as maneiras e feitios, com clássicos, metais, orquestras, dixie, e muito swing. A partir do dia 29 de Junho, Minde vai assistir a um programão. Acreditem !!!

22 Junho, 2007

Abertura Oficial do IV JAZZminde



É já amanhã, Sábado, dia 23, que irá ter início o IV Festival de Jazz de Minde.
Será neste moderno e bonito auditório do Espaço Fatimae em Fátima que se procederá, pelas 21.30h, a Abertura Oficial do Festival, com a actuação da banda Audible Arquitecture.
Para este concerto foram distribuídos alguns convites, mas se você é daqueles que não conseguimos encontrar e, viu logo que esquecemos de o convidar, aqui fica o convite.



Não se faça rogado ou envergonhado, vista uma roupinha decente (de preferência uma T-shirt do JAZZminde), convide a namorada, diga que vai da nossa parte, e... Não Falte!
PS: Seria agradável uma boa comitiva de Minde. Não nos deixem ficar mal !
Ver localização »»»

Um Mail Simpático

Boas,
Acabo de ler o post de 20 de Junho "Colaboradores para Net-Working".
Venha lá então esse material de promocão.
Comprometo-me a passar algumas horas à volta disto na próxima semana, se tal vier a ser necessário.

Naturalmente, os meus sinceros parabens pelo festival, os sites, etc.
Minde, assim visto de longe, tem outra pinta...

Abraços,
(leitor identificado - não é de Minde nem vive em Minde)

Sardinhada da Banda



É Hoje ! Noite de S. João, Noite de Sadinhada da Banda.
Na Praça 14 de Agosto, a habitual animação da já famosa sardinhada organizada pela Sociedade Musical Mindense.
Presença Obrigatória !
PS: Ouvi uns zum-zuns de que há um tinto especial.

21 Junho, 2007

MINDE - Capital da Música



A Música já mora em Minde há muitos anos, e em cada casa minderica existe sempre um músico. Minde é uma terra de Músicos.
E como de pequeno se torce o pepino, esta imagem (bem bonita) dos nossos flautinhas da SMM bem podia dar um bilhete postal da nossa terra.
Esta é uma realidade que temos de potenciar e mostrar ao país já na próxima Grande Festa da Música. Os flautinhas também têm actuação marcada.
Até Jaazzzzzzzzzzzz.

A Moda é JAZZminde



Nem mais. A MODA É JAZZMINDE !!!
E quem não vestir de preto (ou branco) não vai estar na moda.
É cruel, mas é a pura verdade!
Não queiras ser um daqueles seres em que todos reparam por não andares na moda. Moderniza-te !!

O JAZZminde dispõe de uma linha de merchandising que inclui uma bonita Colecção de T-shirts.
São vários os modelos e tamanhos, em preto e branco, malha de excelente qualidade e estampagens com vários desenhos. Podem encontrar-se à venda na sede do JAZZminde em Minde, ou na loja JAZZminde no Centro Comercial FATIMAE em Fátima. (e esta, hem?)
De que é que está à espera ???

A insustentável leveza de uma alteração legislativa

A administração fiscal, à luz da recente alteração legislativa, passou, de forma errada, a notificar os contribuintes/arguidos para pagarem os tributos, mas sem indicar o valor dos juros e das coimas devidas. Ora, perante aquele despacho do Tribunal de Alcanena, diga-se, muito corajoso, a administração fiscal, terá de repetir todas as notificações que já tinha feito, mas agora depois de apurar todos os juros devidos e todas as coimas. (...)
Vitor Coelho da Silva (Advogado) in "O Mirante" »»»»

20 Junho, 2007

Romarias 2007

As comemoraçõs do 93º Aniversário do Concelho de Alcanena, ainda não encerraram.
O último evento que integra o cartaz das Romarias 2007 é o IV Festival de Jazz de Minde que se realiza a 29 . 30 JUN e 01 JUL em Minde.
É neste contexto que Minde irá festejar mais um Aniversário do Concelho de Alcanena, e é neste contexto que a CMA tem apoiado o Festival de Jazz de Minde.
Em nome dos organizadores, Obrigado !

Carsoscópio nos Olhos de Água inaugurado em Julho


SITE : http://www.alviela.cienciaviva.pt/

O Centro de Ciência Viva tinha inauguração prevista para Setembro de 2005, mas dificuldades financeiras protelaram a sua conclusão.

O Geódromo ameaça tornar-se na grande atracção dos visitantes ao Centro de Ciência Viva situado junto à nascente do rio Alviela nos Olhos de Água, concelho de Alcanena. Trata-se de um simulador que leva o visitante a uma viagem de 175 milhões de anos, desde o tempo dos dinossáurios até aos dias de hoje. A aventura pelo Carsoscópio (nome atribuído ao Centro de Ciência Viva do Alviela) será inaugurada no próximo dia 7 de Julho, quase dois anos após a data prevista. A data ainda não é oficial, uma vez que a Câmara de Alcanena pretende que seja o Presidente da República Aníbal Cavaco Silva a presidir à cerimónia. “Temos telefonado todos os dias, mas ainda não nos confirmaram a hora”, anunciou o vice-presidente da autarquia, Eduardo Marcelino (ICA), durante uma visita ao Centro de Interpretação do Alviela solicitada pelos vereadores socialistas e que O MIRANTE acompanhou esta sexta-feira.

O simulador - uma placa elevatória que permite suscitar ao viajante a adrenalina de uma visita de milhões de anos, passando por lugares tão diferentes como as profundezas das grutas ou como o espaço onde é possível assistir ao embate de um meteorito na Terra -, está situado na fase final do Centro de Ciência Viva. O percurso começa por levar os visitantes às grutas onde vivem os morcegos. Ali, no Quiroptário, é possível perceber o modo de vida dos animais e até experimentar “como é ver o mundo ao contrário”, explica Olímpio Martins, elemento do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC), um dos responsáveis pela concepção do centro.

A par do responsável está o professor Carlos Neves, da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria, que ajudou a conceber alguns dos elementos que irão divertir sobretudo os mais novos. É o caso de um capacete de orelhas enormes, que permite experimentar a audição dos morcegos. Os visitantes poderão experimentar também um capacete que, aliado a uma venda nos olhos, permite ter a experiência da orientação através de sonar usada pelos pequenos mamíferos. A viagem segue para o Climatógrafo, uma visão tridimensional sobre a nascente dos Olhos de Água, formada por vários veios de água, cuja origem continua um mistério.

O Centro de Ciência Viva do Alviela vai ainda convidar especialistas a visionarem o comportamento das 12 espécies de morcegos cavernícolas que de Abril a Setembro utilizam as grutas que circundam os Olhos de Água. Uma experiência que é agora impossível, uma vez que os últimos incêndios registados no PNSAC destruíram o cabo de fibra óptica que ligava as câmaras instaladas nas grutas, aos ecrãs situados no centro de interpretação.
“Está concluída a primeira fase do sonho”, constata Olímpio Martins, que não desiste de querer fazer mais. Orgulhosos do seu projecto, câmara, parque natural e a escola superior estão certos de que o Centro de Ciência Viva do Alviela se vai tornar numa referência nacional. Embora esteja pronto a inaugurar dois anos depois do inicialmente previsto (segundo semestre de 2005), a nova estrutura dos Olhos de Água vai permitir um aumento do número de visitantes ao local, sobretudo de alunos oriundos de diversas escolas do país.

O projecto de ciência viva em Alcanena começou a ser imaginado em 1986. A ideia foi ganhando raízes, mas perdeu tempo, e em 2001 a candidatura ficou em stand by. Quando finalmente foi possível avançar, o projecto era candidatável a fundos comunitários apenas em 50 por cento, sendo o restante valor coberto pela autarquia. O custo total ronda os 1,1 milhões de euros. O peso financeiro do projecto representou um esforço pesado para a câmara. Eduardo Marcelino admite que o projecto demorou tempo demais a concretizar e que a despesa, sobretudo com a empresa de vigilância, tem sido muita, mas o objectivo para o futuro já está traçado: “Em 2008 queremos equilibrar a situação financeira” do Centro de Interpretação do Alviela.

Olga Silva in "O Mirante"



Click para Visionar ou Desligar

Foto-Concurso JAZZminde



É pró Click. O JAZZminde vai promover um concurso de fotografia amadora digital.
É claro que o tema será MINDE 2007 e a Grande Festa da Música.
Poderá participar quem quiser e com quantos trabalhos entender.
Serão premiados os melhores trabalhos, de diversas categorias, e os melhores conjuntos de reportagem.
No fim, serão publicados, numa exposição virtual na net, as melhores fotos, podendo vir a ser efectuada uma exposição física e editado um CD. Depende da aderência e qualidade final.
Não será necessário qualquer inscrição prévia, excepto para quem quiser fotografar nos palcos (só c/ boas máquinas) que necessitará de obter um crachat junto da organização.
Está a ser elaborado o regulamento, que será publicado brevemente.
Para mais informações contacte-nos: pm@jazzminde.com

O Objectivo é tentar reunir a maior quantidade possível de fotos sobre o festival e a Festa da Música, para editar um CD ou DVD final.
COLABORE, E FAÇA CLICK !! É PRÁ HISTÓRIA !!!

Colaboradores para Net-Working

A organização do JAZZminde está a necessitar de meia-dúzia de colaboradores para ajudar no trabalho de divulgação do Festival via internet.
O objectivo é "inundar" em tudo o que é site de música, jazz, informação, comunicação social, rádios, etc, etc., a realização do evento.
Quantos mais melhor.
É um trabalho a desenvolver nesta e na próxima semana, e se tiver um pouco de disponibilade e quiser colaborar, envie-nos um mail para pm@jazzminde.com, para lhe enviar-mos o material de promoção.
COLABORE. VAMOS PÔR MINDE NO MAPA !!

19 Junho, 2007

Censura

Na última edição do Jornal de Minde, dois autores de artigos devidamente assinados, usaram do direito e costume que o Jornal de Minde oferece a todos os conterrâneos, e escreveram um manifesto do que terá sido a sua opinião referente à I Feira do Concelho de Alcanena, e seus organizadores.

As opiniões manifestas não foram muito do agrado do partido no poder, e vai daí que um alto representante do executivo camarário, indignado e mandatado pelos seus superiores, pega no telefone e liga para o Director do Jornal de Minde.

- Está lá? É o Sr. Padre Albino?
Nós aqui na câmara estamos muito aborrecidos com o JM. Como é possível o jornal publicar certas coisas? Agora o jornal passou a fazer política?
Já nas eleições passadas publicaram a publicidade do partido laranja na contra-capa com dimensões irregulares. Agora dizem mal dos autarcas. Não pode ser. Desta vez não vamos ficar quietos. O bispo vai ficar a saber o que o JM anda a publicar, e vamos pensar bem se iremos ou não processar judicialmente o JM.

Do outro lado da linha, o "coitado" do Padre Albino, que é Director do Jornal de Minde por inércia do cargo de Pároco de Minde, "caído de pára-quedas" na direcção de um jornal cinquentenário e gerido por gente respeitável e idónea, deve ter ficado com os cabelos em pé e a pensar em qual seria a cena escandalosa que estava envolvido:
- Sim... Como? Como? ...O quê?... Não sei de nada. ...Onde é que vocês vão? Bem.... vou ... falar com
... ,deve ser um mal entendido... O Jornal....


O diálogo é fictício, mas a situação é verídica.

Eu nem queria acreditar!!
Como é possível uma situação destas? Já não existe liberdade de imprensa? Os artigos são ofensivos? Não estavam assinados por dignos cidadãos?
Só nos faltava agora que a "Câmara" controlasse o que um jornal local e independente edita.
O Jornal de Minde, uma instituição com mais de cinquenta anos, gerido por gente credível e respeitável, não alinha em lobbies amarelos (ou de outra cor), e já é assim ao longo de meio século.
É tempo de algumas pessoas entenderem que a censura já acabou há quase trinta anos, e que o JM não é um jornal do poder. É de Minde. Actualizem-se.
O Jornal de Minde é de todos os Mindericos !!!

18 Junho, 2007

O Táxi Que Me Apanhou - II



Não. O II não significa o segundo livro de contos da Paula Capaz.
E é pena, porque a obra merece continuidade.
Neste caso o tal dois significa a segunda apresentação oficial da obra "O Táxi que me apanhou", uma colectânea de contos escritos por Paula Capaz.
Foi na biblioteca municipal de Alcanena, numa cerimómica simples e abrilhantada por um duo musical de alunos do CAORG.

O nosso amigo Raul Solnado (um gentleman dos antigos e um Homem da Cultura), caracterizou a obra da Paula com carinho e incentivo, e, a Paula agradeceu os apoios e manifestou a sua alegria pelo inesperado sucesso de um pequeno livro que resultou do prazer da escrita.
A representante da Editora Papiro inalteceu as qualidades da autora e, em representação da CMA, o Acessor do Presidente, Daniel Café agradeceu o momento, salientou a necessidade de mais cultura e autores no Concelho, e afirmou que CMA estará sempre disposta a apoiar este tipo de iniciativas.

Foi mais um d' ESTES MOMENTOS agradáveis, que acabou com uns drinks e croquetes, acompanhados de um "intruso do JAZZminde" que acabou a fazer campanha e desatou a distribuir convites pró jazz aos Vips. (estes gajos do jazz são uns aproveitadores).
Um Beijo, Paula !!

15 Junho, 2007

JAZZminde - Tá quase !!!



Após um minuto ou dois das m/ repetitivas conversas ácerca do JAZZminde, é sagrada a pergunta: "Este ano o jazz é a favor de quem?".

O JAZZminde não é um festival a favor ou contra alguma coisa.
O JAZZminde não é um evento para angariação de fundos.
O JAZZminde apenas faz parte de uma festa que pretende divulgar a música e associar Minde a um digno evento musical e cultural.
Esse é o objectivo.

Felizmente tem apresentado lucros e todos os anos pré-destinámos publicamente para onde serão canalizados os possíveis lucros, tendo por fim sempre uma causa. No primeiro ano benifíciamos o Cine-Teatro, no segundo a SMM foi a destinatária para renovação do instrumental, e no terceiro foi a vez de a SMM ficar com a exploração do bar e ainda disponibilizámos 3000 euros certinhos aos BVM para ajuda das obras do quartel.
A propósito, não me recordo de muitas contribuições desse valor, mas mesmo assim nem uma carta de agradecimento. Ter-nos-ia dado jeito quando andamos a arranjar fundos, mas enfim...

Este ano foi destinado que os (pouco prováveis) possíveis lucros reverteriam em 50% para ajudar o VFCM no processo de recuperação do campo de ténis, e os outros 50% para benefícios no CAORG.
A SMM ficará com a exploração dos bares no festival de jazz, e o VFCM explorará os bares na Praça 14 de Agosto. Tudo ESCLARECIDO ?



Esclarecido está também a ficar o programão que iremos ter em Minde. O cartaz do Festival de Jazz está um mimo, mas para aqueles que dizem que "jazz não é o meu estilo" aqui têm o ROCK'in MINDE. Nem mais. Três bandas de rock a actuar no dia 06 JUL na Praça 14 de Agosto.
São eles: Sideways, Kayak e Bandalheira.

Eu digo que são cerca de 400 músicos e intérpretes, mas muitos não acreditam. Contem-nos e iremos ver no fim. Agora já não há reverso. Com ou sem euros "the show must go one".
Mais uns dias e...
Vale ainda a pena ver o excelente programa de espectáculos e aulas especiais que o CAORG e a SMM estão a desenvolver. Em breve, toda a informação e inscrições em:
http://www.jazzminde.com/ .

Conhecimentos em Flash

Precisava de fazer uma animação em flash para a abertura do site do JAZZminde, mas não domino bem esta tecnologia, nem tempo.

Se existir algum distinto leitor deste blog que "brinque com o flash" e queira dar uma ajuda e colaborar com o JAZZminde, ficava grato se entrasse em contacto comigo através de mail.
Por todos, é mais fácil ...e fica mais bonito!

14 Junho, 2007

Música Classica em Minde - CAORG


Sexta Feira 15 - 21h
- Recital de Piano
Marta Capaz Menezes

Sábado 16 - 15h30
- Recital de Música de Câmara

Trio de alunos da Escola Superior de Música de Lisboa
Obras de Mozart, Schumann e Sérgio Azevedo (estreia)

Carlos Silva - Clarinete
Maria Gonçalves - Viola
Marta Capaz Menezes - Piano

O Táxi Que Me Apanhou



"O Táxi Que Me Apanhou" é o título do livro da n/ conterrânea Paula Capaz, cujo lançamento se realizou no dia 02 de Março na Livraria Bertrand do Centro Comercial Vasco da Gama em Lisboa com grande êxito, e contou, como apresentador da obra e da autora, com o conhecido actor Raul Solnado.
A Paula Capaz retribui o apoio da CM de Alcanena com uma apresentação informal do livro no Concelho, que se realiza no próximo Sábado, dia 16, pelas 21h na Biblioteca Dr. Carlos Nunes em Alcanena, fazendo-se acompanhar do seu amigo Raul Solnado.

Participação musical de duo Saxofone e piano, por alunos do Conservatório Jaime Chavinha: Nelson Inácio e João Vicente.

Se está interessado em conseguir um exemplar autografado pela autora, já sabe onde se dirigir. Parabéns de novo, Paula !!!

III Salão do Automóvel e do Motociclo Clássico

De 16 a 17 de Junho, os apreciadores de veículos antigos poderão admirar, no Pavilhão Multiusos de Alcanena, alguns dos mais emblemáticos automóveis e motociclos.
Autênticas máquinas de sonho que fizeram história



A terceira edição do Salão do Automóvel e do Motociclo Clássico é uma iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Alcanena com as entidades Vítor Mira Lda., Alcanena Peças e Moto Clube de Alcanena. Em exposição estarão cerca de cinquenta automóveis e mais de três dezenas de motociclos, reunindo proprietários de vários pontos do país. Haverá ainda espaço para exposição de miniaturas, livros, filmes, várias peças de viaturas antigas e um stand de recuperação/restauro de volantes em pele.

Em destaque, na edição deste ano, estará o primeiro motor que entrou em Portugal (1932), assim como uma réplica do primeiro autotanque da corporação dos Bombeiros Municipais de Alcanena.

À semelhança do ano anterior, e dado o grande sucesso alcançado por esta iniciativa, na tarde de sábado, dia 16, terá lugar um Passeio Turístico pelo concelho, que irá reunir cerca de noventa automóveis antigos.

Mais de um milhar de visitantes são esperados no Pavilhão Multiusos de Alcanena para apreciar este certame. Visite-nos também e veja, ou reveja, os veículos que marcaram a história da indústria automóvel.

in site "CM Alcanena"

12 Junho, 2007

Dois novos lares de idosos no Concelho

O Conselho Local de Acção Social de Alcanena deu parecer favorável à criação de dois lares de idosos no concelho, nas freguesias de Minde e da Serra de Santo António.

As duas novas estruturas estão a ser propostas pelos centros de bem estar social das duas localidades, que já candidataram os projectos ao programa PARES.
O conselho de acção social considera que a intenção de criar os dois lares é “pertinente” e “inovadora” num concelho com muita população de idade.
in "O Mirante"

11 Junho, 2007

Alcanena reclama mais agentes da GNR

O presidente da Câmara de Alcanena, Luís Azevedo (ICA), enviou uma carta ao ministro da Administração Interna onde revela diversas preocupações com a segurança no concelho. Na missiva o autarca exige que sejam tomadas medidas, como o aumento de efectivos na GNR e a melhoria de condições de trabalho dos militares, para contrariar a actual tendência.

Luís Azevedo afirma que a insegurança é “cada vez mais evidente” e que as “forças de segurança sentem uma desmedida impotência” perante o número de ocorrências registadas. O autarca refere ainda que faltam condições e segurança no próprio edifício da GNR de Alcanena e que a insegurança está a afectar sobretudo as pessoas ao nível de agressões “físicas e verbais”.

O envio da carta é justificado no último parágrafo. Diz o autarca que foi obrigado a expor as suas preocupações por escrito, por não ter sido possível fazê-lo “pelo contacto pessoal com o Sr. Secretário de Estado da Administração Interna pelo facto de não se ter dado ao cuidado de me receber”. Recorde-se que, na passada semana, o presidente da autarquia acusou o governo de estar a discriminar o concelho. Luís Azevedo queixa-se por exemplo de o executivo nunca responder aos pedidos de audiência.

Entretanto, a carta de Luís Azevedo já mereceu resposta. Em breves palavras, o presidente da Câmara de Alcanena é informado que a sua carta foi enviada para os gabinetes dos secretários de Estado Adjunto e da Administração Interna e subsecretário de Estado da Administração Interna e que as preocupações de Luís Azevedo serão tidas em conta “no processo de reestruturação das forças de segurança”.
in "O Mirante"

COMENTÁRIO :
A foto superior é de uma Polícia Holandesa em pleno verão de Amesterdam.
Se resolvessem a questão da segurança com um esquadrão deste género, ... oh, OH !!!
Bem, o que o Sr. Presidente quer é polícias dos outros, e eu também acho que estão a fazer muita falta. Os casos de insegurança começam a ser muitos.!!


"Stressjazz"

Ando stressado, irritado, cansado e a ficar impossível de aturar.
Até aqui tubo bem. Sou nervoso, mas, por natureza, estou habituado e costumo aguentar. O pior é quando começo a desmoralizar... e a duvidar de "se vale a pena?".
A carolice tem limites, e a boa vontade também.

....
Onde é que está essa malta nova que passa a vida a criticar, sentadinhos no café, a dizer que Minde está uma tristeza onde nada se passa.
Não se passa porque também ninguém quer fazer por se passar.
Todos anos muitos se oferecem, mas quando chega a hora da verdade, nem vê-los.
E nós continuamos a ser os mesmos três ou quatro, já a ficar carecas e com vidas próprias, que contamos com as "ofertas" e depois temos de "gramar a trabalheira toda".
Assim não dá. Nem pensar... A carga está a pesar muito... e a CAROLICE TEM LIMITES!!!
Dasabafo pessoal no Xarales »»»

08 Junho, 2007

Feira do Concelho de Alcanena em discussão

O presidente da Câmara de Alcanena tem dúvidas sobre a continuidade da 1ª Feira do Concelho, que se realizou no início de Maio, durante as comemorações do aniversário do município. Em causa está a participação de algumas juntas de freguesia. “Houve juntas que se empenharam, houve juntas que não se empenharam e outras simplesmente baldaram-se”, afirma Luís Azevedo (ICA). O autarca quer agora promover uma reunião com todos os presidentes de junta para discutir o futuro do certame e para debater “as diferentes perspectivas a implementar no futuro”.

A 1ª Feira do concelho de Alcanena decorreu no Pavilhão Multiusos de 11 a 17 de Maio com o objectivo de promover a cultura, a história, o património e as actividades económicas do município. Cada uma das 10 freguesias foi convidada a participar com um expositor onde era promovida a sua realidade local. No entanto, nem todas as juntas aproveitaram a oportunidade.

Alheio ao desagrado pela atitude de alguns autarcas do concelho, o público respondeu em massa à realização do evento. Segundo Daniel Café, chefe de gabinete do presidente da câmara, os registos mostram uma boa afluência, com 200 entradas por hora. “Os objectivos foram totalmente atingidos”, refere. Ainda segundo o responsável, houve quem pedisse para que a feira se prolongasse por mais dias, já que esteve aberta ao público em geral apenas no primeiro fim-de-semana, sendo o tempo restante destinado à visita dos alunos das escolas do concelho. Daniel Café desdramatiza a alegada “falta de empenhamento” de algumas juntas de freguesia, embora a reconheça. Quanto à continuidade da feira, revela que existem propostas para que esta se realize apenas de 2 em 2 anos, que estão ainda a ser analisadas.

COMENTÁRIO :
Afinal a Feira foi um êxito. Será que estamos a falar da mesma Feira?
O Presidente da Câmara tem dúvidas sobre a sua continuidade, mas o seu Chefe de Gabinete afirma que os "objectivos foram totalmente atingidos".
É caso para perguntar: Quais serão os objectivos deste executivo?
Com autarcas assim nem vale a pena estarmos preocupados quanto ao futuro do concelho. Venha a 2ª Feira !!!!

Fim-de-Semana

Espaço FATIMAE

Aqui está um excelente programa para esta Sexta-Feira.
Se gosta da música de Tina Turner, aproveite, convide um amigo, namorada ou esposa, e vá beber o cafezinho da ordem ao Espaço Fatimae.
É um local bastante agradável (junto ao Santuário), o espectáculo começa às 22H e termina às 23.15H. Além do mais, é GRATUITO.
A não perder. Saber mais »»»

07 Junho, 2007

"Diz que é uma espécie de feira"

No passado dia 11 de Maio abriu as portas a 1ª edição do que “diz que é uma espécie de Feira do Concelho”. Por estar ocupado com a assistência aos peregrinos não pude ir ver o concerto da nossa banda, mas segundo me disseram os músicos, se o concerto tivesse sido em Minde não se notava a diferença, tal a indiferença das outras freguesias.

No dia 13 visitei aquilo que se “diz que é uma espécie de Feira do Concelho” afim de tirar umas fotos para o jornal. Fiquei espantado com tamanha pobreza naquilo que se “diz que é uma espécie de Feira do Concelho”, sim porque uma “diz que é uma espécie de Feira do Concelho” tem como fundamento divulgar o concelho para o exterior, e para conseguir essa finalidade, promovia-se a feira no exterior (comunicação social, publicidade, etc.) para atrair visitantes e mostrar as nossas actividades e qualidades.
Mas ainda bem que não se fez essa promoção, pois se se tivesse feito esse trabalho, quem nos viesse visitar certamente que ficaria com pena do nosso concelho, tal era a pobreza da “diz que é uma espécie de Feira do Concelho”.
Mas se a finalidade era fazer a “diz que é uma espécie de Feira do Concelho” para consumo interno, também esse objectivo não foi conseguido, tal foi a fraca afluência de visitantes, excepto os idosos que foram transportados até à “diz que é uma espécie de Feira do Concelho” e para eles certamente foi um dia diferente.

Ao subir ao 1º andar da “diz que é uma espécie de Feira do Concelho” e ao observar o plano geral do certame, lembrei-me da nossa feira da Sant’Ana da era moderna, na década de 80, com todos aqueles stand’s, 3 pavilhões - centro paroquial, antigo pavilhão dos Raposos, e pavilhão pré fabricado - área de restauração, área de espectáculos, zona de artesanato etc. O que pensariam os promotores da “diz que é uma espécie de Feira do Concelho” ao compará-la com a nossa feira da Sant’Ana feita sem grandes apoios e com muita carolice. Certamente achariam o supra-sumo das feiras de exposições, tal era, e repito, a pobreza da “diz que é uma espécie de Feira do Concelho”.

Penso, e para conclusão, que a “diz que é uma espécie de Feira do Concelho” representa a falta de rumo do nosso concelho, onde dinheiro não abunda e ideias (lógicas e positivas) também não.
Esperemos pois pelas próximas eleições, na esperança de que apareça algum candidato com visão e estratégia para nos tirar deste marasmo e desespero em que nos encontramos.
Henrique Lobo in "Jornal de Minde"



COMENTÁRIO:
Assino e subscrevo as palavras do Henrique Lobo e as de Rui Man no post seguinte.
Chama-se a isto "estoirar" dinheiro sem um mínimo de... (nem acho a palavra correcta).
Este foi mais um daqueles eventos da CMA apenas para mostrar algum serviço e deitar mais areia para os olhos dos munícipes.
Quanto dinheiro a CMA tem esbanjado para "cenas tristes" como esta? Para não falar em Festambs, Romarias, etc. etc, que em vez de prestigiarem o Concelho, ainda lhe dão um ar patético e ridículo. Tal como o Rui afirma, mais do que envergonhado, fiquei triste.
Mas quando pretendemos um pequeno apoio (ninharias) para algo em que se tem mostrado serviço e resultados (dou o exemplo do JAZZminde), a palavra de ordem é que estamos em crise e não há verbas.
Estou como o Henrique:
Haja alguém com visão e estratégia que nos tire deste marasmo e desespero em que nos encontramos.
PM

Mais do que envergonhado... TRISTE !!!

Fui recentemente abordado, para dar a minha humilde colaboração no stand representativo da nossa Junta de Freguesia, na Feira do Concelho, que decorreu no fim-de-semana de 11 a 13 de Maio, no Pavilhão Multiusos, de Alcanena.
Vestindo orgulhosamente uma vez mais as cores de Minde, cedi algum material solicitado, designadamente a minha bicicleta de montanha e o meu kayak, em alusão aos desportos de lazer praticados no imenso espólio natural da nossa região, bem como fotografias que tirei, de kayak, na nossa mata quando esta tinha água; fotografias essas que estiveram expostas dignamente na Biblioteca Municipal de Alcanena, aquando do Dia Mundial das Zonas Humidas.
Ironicamente, foi com profunda consternação e grande desconforto que assisti, no Domingo dia 13, à mais pobre e redutora imagem que a «minha terra» ali passou mas, sobretudo, à afectação do meu nome a tão deprimente cenário.

Em lugar de referir o que me pareceu faltar, prefiro antes lamentar o que de ridículo lá estava: pobreza de imaginação, ausência de sensibilidade e, sobretudo denúncia de falta de empenho individual e colectivo de quem assume a responsabilidade de participar no que quer que seja, que ouse promover o nosso meio e a nossa vila.
Ficarei, por isso, com a alma mais pequena e, em jeito de optimista, fico na expectativa de que a consciência de quem se sinta responsável, use o fracasso que deve assumir como uma boa lição de que quando há ocasião, há também uma oportunidade de mostrar o que valemos; e, de uma coisa tenho a certeza: VALEMOS BEM MAIS!
RM in "Jornal de Minde"

Minde, a Feira de Alcanena e o Museu

No Pavilhão Multiusos de Alcanena decorreu, de 11 a 13 de Maio, a Feira das Actividades do Concelho referente ao ano de 2007. Os objectivos da Feira eram, para além da Comemoração da criação do Concelho, divulgar e valorizar o património proporcionando o intercâmbio entre as suas Freguesias.
As Freguesias foram convidadas a valorizar a história, o património natural ou construído e as actividades económicas.Tive ocasião de visitar o Pavilhão Multiusos, no dia do encerramento da Feira, sobretudo para assistir às palestras “ Arte no Concelho“ .
A Feira pareceu-me bastante representativa do Concelho de Alcanena e o programa era bastante diversificado e completo.
O aspecto menos conseguido, na minha opinião, foi a rubrica “ A Arte no Concelho”. Foram escolhidos três artistas: Alfredo Roque Gameiro, Marília Lucília Moita e Antonieta Roque Gameiro. Apesar de anunciadas, as peças de Alfredo Roque Gameiro não estiveram presentes, por razões desconhecidas do público, visto não terem sido dadas explicações aos visitantes.
É de lamentar a ausência de obras de um artista emblemático ao nível da aguarela e reconhecido a nível nacional e internacional.
As palestras sobre a obra dos artistas escolhidos foram muito interessantes. Houve contudo dois factos que provocaram a minha estranheza e que gostaria de compartilhar com os leitores do Jornal de Minde.
Um dos factos diz respeito ao anunciado “Museu dos Têxteis” propagandeado nos expositores implantados no espaço reservado à Freguesia de Minde.
Outro facto diz respeito ao anúncio, feito pelo Sr. Secretário do Presidente da Câmara no seu discurso de encerramento, desse tal Museu dos Têxteis e também de um “Museu da Aguarela”.



Impõe-se recordar o seguinte:
Em 1965 foi constituída em Minde a Comissão Pró-Museu Roque Gameiro.
A pedido da Junta de Freguesia de Minde, na altura presidida por Lourenço Coelho Anjos da Silva, a Câmara concedeu um subsídio para a renda e manutenção da casa onde seria instalado o Museu. Em Fevereiro de 1970 a Junta Nacional de Educação deu um parecer favorável à criação do Museu e em 17 de Março do mesmo ano foi homologado esse parecer pelo, na altura, Ministério de Educação Nacional.
A partir dessa data o Museu passou a ter existência legal, tendo sido solenemente inaugurado pelo Presidente da República da época, em 21 de Novembro de 1970.
Assim sendo pergunto:
Que necessidade há de mudar de nome ao Museu de Minde, rebaptizando-o como “ Museu da Aguarela”?
Por que razão apareceram na Feira expositores anunciando o “Museu do Têxtil” em Minde, quando na proposta da criação do Museu Roque Gameiro estão explícitos os objectivos que deveriam nortear o percurso do museu, nomeadamente, aspectos etnográficos, arte contemporânea , obras e recordações de Roque Gameiro.
Os aspectos etnográficos contemplam, como bem sabemos, uma vasta área de realizações e actividades características da nossa terra, como sejam o fabrico das mantas, os têxteis, o calão minderico, etc. Assim sendo, não vejo razões para se “inovar” esquecendo o que já foi oportunamente proposto e sancionado pela população de Minde.



É urgente revitalizar o nosso Museu, pois corremos o risco de a Casa Açores voltar a degradar-se, desaproveitando o investimento nas obras já feitas e desperdiçando inutilmente dinheiro, que tanta falta nos faz. É justo salientar o papel desempenhado pelo actual Presidente da Câmara na aquisição da Casa Açores bem como o contributo do CAORG na dinamização desse processo.
Mas interrogo-me:
Será assim tão difícil a C. M. Alcanena concluir as obras e proceder à manutenção das instalações da Casa Açores?
Proponho que se reavive o grupo dos Amigos do Museu, que eventualmente aliado ao CAORG, poderia ser determinante na concretização dos nossos anseios. Lembro que o seu núcleo fundador foi constituído, para além da família directa do pintor, de personalidades que nos merecem o maior respeito (infelizmente algumas já falecidas):
António Alves Raposo, António Raposo Martins, João Almeida Mengas, Manuel Mengas Micaelo, João Vigário, Lourenço Coelho Anjos da Silva, Lourenço Coelho Carvalho, Pe. Manuel Antunes Messias, Manuel Roque Gameiro, Rogério Venâncio.

Minde, a Cultura e a Arte necessitam do Museu. Vamos dar continuidade à obra de tantos bons Mindericos? Minde merece. Aqui fica o desafio.
Lisboa, 21de Maio de 2007
Maria da Graça Carreno Roque Gameiro da Gama

In Jornal de Minde

06 Junho, 2007

Acessibilidades e boas estruturas

Minde tem a seu favor as rápidas acessibilidades proporcionadas pela estrada nacional 253 que liga a freguesia directamente ao nó da A1 e da A23 de Torres Novas. A plataforma logística prevista para este nó é encarada como outra das “tábuas de salvação” para uma freguesia que prima por ter condições de vida invejáveis. Além disso, a freguesia está dotada de boas infra-estruturas sociais, a maioria da responsabilidade do Centro de Bem Estar Social de Minde: creche, jardim de infância, ATL, Lar de Idosos, centro de dia e apoio domiciliário. O Centro de Bem-Estar é mesmo o maior empregador da freguesia com cerca de 70 a 80 empregados.

A freguesia tem ainda um centro de saúde, quartel dos bombeiros (já recuperado e modernizado), posto de CTT, escolas primárias na vila e nos lugares (Covão de Coelho e Vale Alto), piscinas, campo sintético, escola EB 2,3 e um conjunto de associações e colectividades que dinamizam diversas actividades culturais e pedagógicas na freguesia. “Aqui vive-se de forma saudável, temos equipamentos sociais e culturais e qualidade de vida para oferecer a quem escolha Minde para fixar residência”, salienta o autarca António Fresco, que teme que a freguesia se torne um dormitório.

O que faz falta à freguesia?
(entrevistas publicadas in "O Ribatejo")

Cesário Soares - Reformado

Falta um fontanário para as pessoas irem buscar água. São precisas umas casas-de-banho públicas. O melhor da freguesia é o ambiente saudável e o ar puro.



Fernanda Menino - Comerciante

Faltam espaços verdes e jardins. Precisamos de ter também mais dinamização económica. Gosto de Minde porque tem calma e um bom ambiente.



Maria Olívia Sana - Comerciante

Precisamos de mais indústria e de diversificar as actividades económicas da freguesia. É urgente uma zona industrial que possa atrair mais pessoas para aqui viver.


Tânia Carreira - Lojista

Em Minde falta gente, pessoas que ajudem a dinamizar a vila. Temos bons equipamentos sociais.

O Calão de Minde



O minderico designa o calão típico usado pelos habitantes de Minde. Conhecido pela sua originalidade e diversidade, o minderico tem sido alvo de diversos estudos e compilações, tornando-se num dos calões mais estudados no país.
Fruto de um comunidade fechada, situada a meio caminho entre a serra e o bairro, localizada num vale, o minderico é semelhante ao que existe noutros grupos e comunidade étnicas específicas que usam "termos e expressões de defesa", isto é, palavras e expressões que permitem aos membros dessa comunidade falar entre si sem darem a conhecer o significado dessa comunicação a outros.
Na maioria desses termos é notória a sua origem em imagens do quotidiano, que passam de forma figurativa para a linguagem, mas também através de alterações do português vernáculo. Nomes de pessoas da terra deram origem a expressões que designam profissões ou atributos humanos. O calão minderico é ainda hoje conhecido da maioria da população adulta, embora por influência da alteração dos costumes, haja uma acentuada tendência para o seu desuso e esquecimento entre os mais jovens.

Ainda assim, o minderico vai ser parte da tese de doutoramento de Vera Ferreira, uma aluna natural da Batalha, que está a realizar um doutoramento na área da linguística (língua portuguesa) na Universidade Munique e que vai dedicar uma boa parte do estudo ao minderico.
A estudante publicou já artigos científicos em revistas alemãs e norte-americanas da especialidade e está a colaborar na elaboração de um dicionário de calão minderico a publicar na Alemanha. Para saber mais consulte o dicionário "Piação dos Charales do Ninhou", coordenado pelo Centro de Artes e Ofícios Roque Gameiro.

Algumas palavras em Minderico:
abobrar - descansar; alexandrinas - fotografias; ambrosiar - pensar, cismar; babosas - cervejas; badelo - língua; bodelha - mentira; borboleta - luz; brancano – leite; bruxo - computador; Casal Médio - Santarém; Cabaneira - vaca; campinos - melões; carranchano - amigo; fusca - noite; gargantear – cantar; jordar – fazer, gastar, despejar, desperdiçar; latina - missa; mioleira – testa; mirantar – ver, observar; Nazaré - banho; paivante - cigarro; patarraz da ladina - genro; perneiras - peúgas; piação - conversa; pirota - motorizada; primeira de Cristo - primeira comunhão; remexido - negócio; renhomnhom - gaita de foles; rinchão - comboio; rodilha - sogra; ronquinho - surdo; senhor António - marido atraiçoado pela esposa, corno; soletra - livro; tarrantar - dormir; taxeadora - prostituta; terraizinho - criança; terraizinho judaico - Menino Jesus; tosadeira - boca; toupeira do ferreiro - charrua; videira - mãe; videiro - pai; vista-baixa - porco; Zé-pedro - bigode
in "O Ribatejo"

04 Junho, 2007

Conservatório sem Sede

O Centro de Artes e Ofícios Roque Gameiro (CAORG) é a maior associação da freguesia, dinamizando um conjunto de actividades nas mais diversas áreas. Do ensino da música à dança, do coro de adultos à defesa do calão minderico, passando pela preservação dos valores tradicionais da vila, o CAORG envolve mais de 250 pessoas.
A associação tem como principal actividade o conservatório de música, com 150 alunos oriundos dos mais diversos locais, e que semanalmente encontram no CAORG um ensino musical leccionado por um conjunto de professores formados pelas melhores escolas do país, alguns deles antigos alunos da CAORG.
O conservatório lecciona o ensino da música até ao 8º grau e permite equivalência para acesso ao ensino superior. A partir do conservatório nasceu uma orquestra e um coro de adultos. Para além disso, a CAORG é responsável pelas aulas de música na extensão de horário do ensino primário de todo o concelho de Alcanena e de parte das freguesias norte do concelho de Santarém, uma actividade que envolve mais de 1100 alunos. Na área da dança, a associação desenvolve aulas de dança clássica (ballet), com 43 alunos, e de danças desportivas (de salão) com 20 alunos.

Para além desta vasta actividade cultural e pedagógica, o CAORG apoia e dinamiza a preservação do calão minderico, tendo já editado dois livros-dicionários. A CAORG dinamizou em tempos um curso confecção de mantas à maneira tradicional que está parada por falta de espaço.

A falta de um espaço próprio tem sido a grande dificuldade da associação. A CAORG dinamiza todas estas actividades no centro paroquial, emprestado pela paróquia, e que quase já não tem espaço para acolher o número de alunos que têm procurado o conservatório e as aulas de dança. Existe projecto da Câmara de Alcanena para a construção de um edifício novo no Largo das Eiras, adequado às diversas actividades do Centro: conservatório, da escola de dança e da escola de tecelagem tradicional.
Publicado in "O Ribatejo"