17 julho, 2007

Finalmente



Já acabou a Festa da Música MINDE 2007.
Para alguns foi um alívio, outros continuam a trabalhar, e muitos ficaram satisfeitos e não se importavam que a vida fosse sempre assim. Bem... nem tudo ao mar, nem tudo à terra.

Foi uma autêntica "barrigada" de música. Quinze dias (sem contar a "perigrinação" a Fátima na semana antes) de espectáculos, concertos e outras actividades musicais, foi obra. Quando chegamos ao fim já nem nos lembramos do início.
Mas ao começarmos a rever algum do material fotográfico e filmes que esta ano conseguimos realizar, temos de levantar o pescoço e ficar inchados. Minde tem um potencial na àrea da música que é ímpar em vilas desta dimensão no país. Relegar este aspecto para segundo plano só poderá passar na cabeça daqueles que não querem ver.

Mas deixemo-nos de filosofias, a Grande Festa da Música encerrou com um excelente espectáculo totalmente produzido pelos professores e alunos do CAORG. Encerrou em beleza, com actuação dos "Pulsar" e da Orquestra Moito Vivacce. Dois "produtos" made in CAORG que lotaram o Auditório Jaime Chavinha, e que já pedem meças a agrupamentos com outros pregaminhos. Só este espectáculo, por si só, constitui uma Festa da Música.

Se adicionarmos a este espectáculo do CAORG o concerto da SMM na praça, o Festival de Jazz, a animação musical no Centro Social, o espectáculo da escola de música da SMM, o Rock in Minde, o concerto de Saxofones, a Missa com o Coro Caorg e até bateria, a apresentação do Grupo Polifónico Juvenil no Cine-Teatro, o Ar de Rock no Sábado à tarde, o excelente bailado A Cinderela, as diversas acções de formação do CAORG e da SMM, as diversas pinturas do Rui Man, e a animação que passou por alguns bares, podemos dizer que foi mesmo uma Grande Festa da Música, que até deu para exportar até à cidade de Fátima.

Do inicialmente programado, apenas não foi possível contar com as tunas académicas, por motivo da época de exames, assim como com a Fanfarra dos BVM, por motivos que ainda não entendemos. São estórias para outras núpcias.

Falávamos em 400 músicos e intérpretes, e não nos enganamos muito. Se referirmos que 2/3 deste número são jovens naturais e ligados a Minde, dá para entender porque é que uma parte do desenvolvimento de Minde pode e deve passar pela música.
Quando começarem a ver algumas das fotos e vídeos que realizámos este ano, muitos dos que não acreditam nisto, irão compreender alguma coisa.

Este não é nenhum post em jeito de balanço, é apenas uma referência ao encerramento, porque muito ainda irá ser dito e escrito. Há louvores que têm que ser feitos, há coisas a melhorar, há idéias novas e... algumas críticas a quem as mereceu.
Preto no branco, é como tudo terá de ser arrumado.
Projectos para o futuro? - Não há. Idéias? - Algumas. Vontade? - Assim, assim.

3 comentários:

vmcs disse...

Ficava bem aqui a música " The End" dos Doors :-)

Anónimo disse...

Muito obrigado aos elementos do jazz minde por desta forma tentarem fazer algo por minde.Contra algumas vozes que só agora(penso eu!) entenderam o porquê deste festival a resposta foi dada no « terreno» com excelentes espectáculos e muito publico.Obrigado pois ao Jazz ao caorg e à banda pelo empenhamento demonstrado.Afinal conseguem trabalhar todos para Minde quando as pessoas querem.Até para o ano.

Anónimo disse...

Com um FESTIVAL DE FANFARRAS em MINDE com algum sucesso , será que a fanfarra dos bombeiros já acabou.
Há algo que não vai bem no REINO dos BOMBEIROS!!!!!!!!!!
será que estou a ser pertinente demais?
NEM UMA JUSTIFICAÇÃO PARA O SUCEDIDO.


PARABES a todos que se associaram a este evento
MINDE NO seu ESPLENDOR

PARABENS tambem á malta que eatá a organizar um excelente torneio de FUTSAL VERSO VFC MINDENSE

DOS fracos nãom reza a história
GENTE HUMILDE E TRABALHADORA QUE ASSIM QUEREM AINDA FAZER ALGO POR MINDE.
Para quem ainda tem duvidas.....duas máximas!!!! SE NÃO PODES COM ELES JUNTA-TE A ELES a outra é que SE TÊM QUE SE RENDER HÁS EVIDÊNCIAS......

BEM HAJAM POIS A TODOS E MUITO OBRIGADO